sábado, 9 de junho de 2012





Noite insone...
Desejo de descrever o amor...
Pouso sobre a alva folha, a caneta...

Assomam-me a lembrança
Camões e Poetas de igual valor
O que haveria eu de acrescentar?

Escrevo teu nome
Aguardo por ti!

Convido-te a compartilhar do amor
Contido no silêncio das palavras
Não escritas!

Humberto Santos

sexta-feira, 8 de junho de 2012





Ontem!
Espiei por sobre a muralha
Do outro lado, vislumbrei as delícias do reino de Eros!
A fachada, aparentemente intransponível, desfez-se
Pelas frestas dos teus olhos, pude contemplar ao paraíso do qual és recipiente!

Ontem!
A sólida amurada ruiu
Permitindo-me finalmente alcançar-te
Ao provar teus lábios, os meus saborearam a olímpica ambrosia
Em tuas pupilas, enxerguei o lume da felicidade
No teu corpo, senti o calor da chama reavivada!

Ontem!
Teus beijos e carícias, fizeram sumir a todo o Universo
Naquele instante, nada mais havia
Além de dois entes que se contemplam, que se completam!

Ontem!
Encontrei a mulher, despida e desarmada de medos e anseios
E com ela, comecei a decifrar o sentido da palavra amor!

Humberto Santos

quinta-feira, 7 de junho de 2012




Se fores e tiveres alguém que seja: Cúmplice, podes formar uma quadrilha, uma gangue, um bando...
Se fores e tiveres alguém que seja: Companheiro, podes formar um sindicato, um partido político...
Se fores e tiveres alguém que seja: Digno, Sincero, Amoroso, podes formar um Casal!

Humberto Santos


Quisera eu ter os versos que Camões rejeitou
As quadras que Pessoa não levou adiante
Que no meu jardim, Florbela florescesse
Que a urgência de Maiakovski pulsasse em minhas veias...

Assim então, escreveria um poema
E entenderias o valor das palavras...
"Amor", seria para ti um tesouro!


Humberto Santos

quarta-feira, 6 de junho de 2012






O que nos traz saudades da infância, é o fato de que naquela época não
tínhamos consciência de nossa infelicidade, acreditávamos ser felizes.
Hoje, quando nos negamos aos sentimentos sinceros, para continuar a
interpretar o personagem que montamos, temos saudade do tempo em que os aceitávamos... e nos sentíamos Plenos!
Nos negamos a compreender que a felicidade, não está no passado nem no futuro, está no instante em que nos permitimos ser felizes. No momento em que dizemos SIM, para quem nos ama e respeita, e NÃO, para quem somente se aproxima por interesses ocasionais.

Humberto Santos

terça-feira, 5 de junho de 2012



Em um saco de tecido puído, que de ilusões está abarrotado
Jogo meu amor, que de nada me serviu
Peso inócuo carregado
Que antítese de si próprio
Quanto mais intenso, mais dor fez germinar...
Por não saber esconder sua essência, torna-se amedrontador...
Por se mostrar, desnuda...

Jogo-o na corrente água de um rio...
Para que no turbilhão se afogue, com as esperanças e ilusões...
Para que meu coração cicatrize...
Para que não mais temas...

No embrulho que a correnteza leva
Vai-se a ilusão, de que ser sincero bastaria...
Vai-se a ilusão, de ser o bastante...
Vai-se a ilusão, de poder viver sem ilusões...

Humberto Santos

segunda-feira, 4 de junho de 2012






Sempre imaginei
Meu partir, tal uma tempestade...

Hoje, o sei
Como uma brisa, que tocou-te ao rosto, aos cabelos, roçou-te os lábios, e foi-se...
Sem se fazer notar, sem guardar em ti, impressões...

Humberto Santos

domingo, 3 de junho de 2012




...então, se algo lembrarem de mim amanhã, será como aquele que amou, e teve a glória de ter tido a mulher a quem amou, incondicionalmente, aquela que o fez realmente Pleno, na medida humana e na imensurável medida do amor.

Humberto Santos