sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012







Mulher em flor
Invólucro da mais doce fragrância
Perfume pelos deuses formulada, que te serve de essência
Variadas graduações, infindas tonalidades
Regida pelo símbolo da justiça, do equilíbrio
Teus atos, tuas palavras, não fogem à verdade
Em ti o equilíbrio está na alma e na matéria
Tua alma, traz a sabedoria das gerações que te precederam
Teu corpo, os traços e a nobreza ancestrais
Fêmea
Guerreira
Frágil
Doce
Feroz
Humana
Mulher!

Tua doce e etérea alma
À qual tua corpórea forma
É insuficiente para abarcar
Tamanha a força, intensidade do seu pulsar!

És o farol de meu prazer
Mulher flor
Mulher em flor!
Todos os meus sentidos são por ti saciados...
Pois és, a nascente e mantenedora de todos os regozijos!

Humberto Santos

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012



Angústia
Fel que do fígado, irradia-se pela corrente sanguínea
Invisível mão, que estrangula por dentro
Insuportável carga, sobre os ombros já sem forças
Choro sem lágrimas
Solidão companheira
Silencioso urro!

Angústia
Vontade de Adeus...

Humberto Santos

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012



Musas houveram
Não negarei
Serviram elas, para forjar-me
Preparar-me para ti.


Para ti, filha de Afrodite
Para ti, que me faz completo
Único
Realizado
Amado.

Humberto Santos

domingo, 19 de fevereiro de 2012



Melancolia
Resquício de um passado
No qual conjugávamos o futuro
Na primeira pessoa do plural!

Hoje
Resta conjugar 

Solidão
Na primeira do singular!

Humberto Santos