domingo, 22 de abril de 2012



Em tuas veias, corre mel
Teus lábios, são manjares
Teus seios, tenros e doces, como maçãs do amor
Tua pele, rescende a mais inebriante fragrância!

Infinitos sabores
Variadas texturas!

Eu, canibal...
Devoro-te!

Humberto Santos