quinta-feira, 22 de março de 2012





Minha língua
Sentiu o sabor da tua carne!
Minha língua
Sentiu o calor da tua carne!
Minha língua
Sentiu a rigidez da tua carne!
Minha língua
Sentiu a maciez da tua carne!
Na ponta da minha língua
Aparei o doce-amaro néctar
Das entranhas da tua carne!

Humberto Santos