segunda-feira, 7 de novembro de 2011



Aos que reclamam da melancolia do que escrevo, um poeminha "saltitante"...


Em um dia de sol primaveril...
Um coelhinho tão branco e fofo como algodão
Saltita sobre a relva... saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita, saltita...

Então encontra uma coelhinha, tão fofa e branca quanto ele, e os dois saem saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando, saltitando...

Eles geram lindos "coelhinhozinhos"... tão fofos e brancos quanto eles... e todos saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam, saltitam...

Sobre a verde relva, em direção ao sol primaveril...

Humberto Santos